25 de fevereiro de 2011

Que nos reserva o futuro?


O preço do petróleo sobe exponencialmente e isso reflecte-se de forma imediata e mediata no nosso dia-a-dia. No Médio Oriente sucedem-se as revoltas e os tumultos nos principais países exportadores de petróleo e sinceramente não se vislumbra uma acalmia para aqueles lados. A tendência será mesmo de alastrar aos países que rodeiam o Egipto e a Líbia. O mundo está a mudar e o paradigma de muitos desses países irá mudar de verdade. Serão os novos tempos mais favoráveis a um mundo cada vez mais global? Assistiremos a uma aproximação do Oriente ao Ocidente?? Aguardemos para ver o que a história nos reservará. Uma certeza fica: o mundo está numa constante mutação, e o que temos assistido vai impreterivelmente mudar a história da humanidade.
Ontem desloquei-me a Vizela em trabalho. Pelo caminho, na variante passei no mínimo por 6 prostitutas. É triste e lamentável. A prostituição é para mim uma representação da pobreza extrema, quer económica, quer de espírito! Quem o faz só pode ser por não encontrar outra saída. Quando alguém vende o corpo para comer e para viver é algo com que não compactuo de forma alguma. É uma séria violação à condição humana. Um verdadeiro atropelo à Declaração Universal dos Direitos Humanos. Pergunto-me: que fazem as autoridades competentes para combater este flagelo??
Numa leitura rápida pelos jornais do dia, lia: “O governo pede aos jovens valor das bolsas”. Hoje no debate quinzenal na Assembleia da República, assistiu-se a uma verdadeira paródia: O governo apresentou medidas de combate ao desemprego jovem que já tinha apresentado há 2 meses!! O PSD por seu turno apresentou uma proposta de lei que tem tanto de irreverente como de irresponsável: contratos de trabalho verbais. Isto levaria inevitavelmente ao fim da segurança jurídica no regime laboral e a uma “precarização” dos empregos dos jovens. A proposta apresentada tem fundamentos sérios e evidencia a real necessidade de combater o desemprego jovem mas a meu ver não são de todo as melhores soluções aquelas que foram apresentadas.
A verdade é que os jovens continuam sem emprego. Pior: os jovens  de hoje em dia nem expectativas de emprego têm. Passamos de “geração rasca” para “geração à rasca”!
O reitor da Universidade de Coimbra dizia há dias atrás na Grande Entrevista que o problema é a falta de capacidade dos jovens para criarem emprego e não propriamente a falta de emprego. Até poderá ter a sua quota-parte de razão, mas a realidade é que hoje, um jovem dito normal (classe média) não tem capacidade nenhuma para o fazer. Só quem for inconsciente e imaturo se aventura neste momento. Hoje não impera a velha máxima: “É  na crise que surgem as oportunidades”! O país está mergulhado numa verdadeira crise. As medidas de austeridade acumulam-se. O mundo está a mudar não se percebe se para melhor ou para pior. Somos dependentes de um conjunto de agências de rating e de uma União Europeia cada vez mais enfraquecida e desarmonizada.
Aguardo com uma calma “hipócrita” o que o futuro me reservará, a mim e todos os jovens como eu que ainda sonham com um futuro próspero.

2 comentários:

  1. Não sei o que o futuro nos reserva mas vejo que a cada dia que passa o cinto aperta-se. Receio que o pobre vais ficar cada vez mais pobre enquanto o rico cada vez mais rico :(

    ResponderEliminar
  2. Não concordo com o facto do Petróleo estar cada vez mais caro na venda ao consumidor de terceira, mas a verdade é que tudo se trata de um negócio como tantas outras coisas, é possível o gasóleo voltar a descer o que comprova mesmo essa situação são as politicas de desconto adoptadas pelas firmas, é as promoções ... portanto tudo vai de uma mudança de comportamento.

    ResponderEliminar